Tags

,

Coloque um bom punhado de sal grosso atrás da porta de entrada da sua casa e quando se sentir muito carregada tome um bom banho com sal do pescoço para baixo. Arruda, figa, olho grego, pimenteira, crucifixo, e muita reza também ajudam

Grande parte dos brasileiros tem uma boa receita para se proteger do tão malfadado olho gordo! Dentre todos os pecados capitais é este o mais temido. Católicos ou não aprendemos desde pequenos que certos sentimentos são pecaminosos. Podemos amar, respeitar, admirar, mas nos culpamos quando sentimos raiva ou temos preguiça. Entre sensações boas e más admitimos que nem sempre merecemos o céu. Sentimos ódio, nos “penitenciamos”, aquilo passa e vai tudo bem. Mas jamais nos permitimos sentir ou admitir que sentimos a repugnante: inveja.

Existe algo mais degradante na sociedade atual, em que todos querem ser mais e melhores do que os outros, do que reconhecer que desejamos algo que o outro tem e nós não? Pois é! Em um mundo de vencedores, que esbanjam momentos de alegria  e sucesso pela internet afirmar algo do tipo seria o mesmo que admitir fracasso, mesmo que momentâneo.

Entretanto cara pálida, o mundo real não é um conto de fadas onde existem príncipes e sapos, fadas e bruxas. Em que uns possuem apenas sentimentos nobres e os outros, os malvados, os ruins. Nós, pessoas normais, com bom coração mas também com um bocado de atos inconfessáveis na bagagem invejamos. Pessoas bem resolvidas invejam, admitem para si mesmas e quando são mais evoluídas ainda confessam até mesmo para o objeto de inveja. Feito isto buscam melhorar quando podem e se conformam quando não podem. Nesta situação, para ser politicamente correto substituímos inveja por admiração.

Quem me conhece sabe que tenho pavio curto, sou preocupada e gosto das coisas certas. Uma boa combinação que causa uma dose extra de estresse na vida. Admiro, ops… Invejo pessoas tidas como desencanadas. Passam pela vida sofrendo muito menos. Vieram ao mundo a passeio e não à trabalho, como escutei uma vez e fiquei roxa de raiva. Porém, em prol da beleza da minha pele venho mudando ao longo dos anos e trabalhando para me tornar um bocadinho mais zen.

É isto que muitos chamam de inveja branca. Você vê, você deseja e você conquista o seu. Como um amigo do marido que na época da facul não queria nada com nada. Viu o marido formado e bem profissionalmente e financeiramente. Então foi batalhar e se formou também e ainda disse que tinha se inspirado nele. Fosse este amigo um ser menos bem resolvido consigo mesmo, poderia desdenhar da conquista do outro. Tentar diminuir ou simplesmente maldizer. Esta seria então a inveja negra? risos

Na primeira situação  temos algo até mesmo positivo que nos impulsiona para frente e na outra algo que não nos leva a lugar nenhum e nos faz torcer contra o outro. Temos então o invejoso típico. Aquele ser que adora invejar e não tem forças para conquistar nada seu. É aquela pessoa que não progride e portanto o desejo é de trazer para trás o outro…

Minha mãe acreditava que o invejoso mau tinha poderes “sobrenaturais” capaz de causar mal ao invejado. Um lance assim de energia ruim canalizada. Não só ela, mas muitas outras me advertiram sobre o grande perigo disto ao longo de minha vida. Crendices populares ou não prefiro dar três toques na madeira. Quem nunca contou algo muito bom para algum invejoso e viu tudo desandar minutos depois? Portanto fui treinada a não provocar a ira alheia gratuitamente. Contar vantagem sobre o romantismo do namorado para aquela amiga encalhada? Jamais! Revelar para aquele amigo que vive pendurado no cartão a quantas anda seu pé de meia? Nem sob tortura.

Sendo assim sempre estranhei pessoas que morrem de medo de energia ruim de invejosos mas vivem se auto promovendo. Afirmam: “acho que estão colocando olho gordo em mim”. Mas vivem jogando holofotes sobre si mesmo. Alguns desfilam seus bens materiais (estes costumam ser os mais pobres de espírito e geralmente são invejosos disfarçados em pele de invejados). Outros, com baixa auto estima, adoram difundir o quanto são desejados por todos do sexo oposto. E finalmente os carentes de atenção que passam metade do dia contando vantagens sobre todas as suas conquistas.

Mas entre todas as coisas que possam vir a provocar inveja em outras pessoas, eu creio que a mais poderosa é a felicidade. De que adianta todo o resto quando não somos felizes? E há quem tenha tudo mas não consiga ser feliz. Para seres assim só resta tentar diminuir a felicidades dos outros com comentários maldosos. Por que minha gente, vamos combinar que quem está de fato muito feliz quer mais é que todos estejam tão felizes quanto. E não vai se incomodar com a felicidade alheia. Portanto, pessoas que sentem prazer em “diminuir”o outro são por definição, no meu ponto de vista, infelizes. E nada irrita mais estes seres sem luz do que pessoas realizadas.

Quem não conhece alguém com uma vida simples, um emprego mais ou menos, um parceiro nada demais e que está sempre sorridente provocando a fúria das invejosas de plantão? E de outro lado alguém muito bem sucedido na carreira e nas finanças, bem casado, com familia e saúde e que vive olhando tudo o que falta sem notar o que já tem?

Para os invejosos que desdenham as conquistas alheias para no minuto seguinte copiar um aviso: fica totalmente transparente para todos. Conheci uma que falou que o pedido de casamento da outra tinha sido brega e um mês depois foi pedida exatamente da mesma maneira. Acho que até o noivo havia notado a inveja da primeira. Ridiculo, não é mesmo?

Por isto aqui vale aquela máxima de para-choque de caminhão: NÃO ME INVEJE. TRABALHE! 

Anúncios